quinta-feira, 16 de abril de 2015

A dieta da atleta biquíni Justine Moore

Talvez pareça estranho esse título, porque eu não sou muito de dietas e muito menos de mostrar a dieta alheia como se fosse algo que alguém pudesse copiar, mas logo vocês vão entender...


De certa forma uma das coisas que me faz admirar a atleta Justine Moore e querer compartilhar a história dela aqui é a trajetória que ela fez até descobrir o que é realmente importante e a coragem de dizer que precisou rever suas crenças. A Justine conta que já seguiu inúmeras dietas e que a coisa ficou ainda pior quando entrou no mundo fitness. Para chegar ao corpo de competição, ela passava por um período de extrema privação, seguido de compulsão e culpa. - Isso soa familiar? Pode acreditar que sim e talvez ainda mais para quem precisa apresentar um percentual de gordura de um dígito durante todo o ano... ou alguém acha que isso é natural? Imaginem agora quantos corpos que você admira não escondem esse mesmo tipo de distúrbio... 

Foi no ano passado, após ser diagnosticada com fadiga adrenal e problemas na tireoide, que Justine começou a colocar a saúde em primeiro lugar. Ela conta que hoje a alimentação é saudável, mas não restrita. Noventa por cento do tempo a dieta é seguida com prazer, mas se tem realmente vontade de algo diferente, ela não se priva. E ao ouvir o corpo e encarar tudo isso com mais naturalidade a compulsão sumiu.

Abaixo está o exemplo de um dia da dieta atual. Não estou dizendo para ninguém seguir esse cardápio, mas compartilho aqui com satisfação porque ele representa muito do que acredito. É uma dieta bem equilibrada e que contempla todos os grupos alimentares, com bastante comida de verdade. É claro que para alcançar o máximo que se pode ter em termos de saúde/estética, é importante que se tenha acompanhamento profissional, mas com certeza um plano desse não deixaria ninguém com menos vitalidade ;)


Refeição 1: 4 claras de ovos com cogumelos, cebolas, tomates, tomate seco, 30g de queijo de amêndoas; 1/3 xícara de aveia com 1 colher de sopa de sementes de chia, coberto com um punhado de mirtilos e uma pitada de flocos de coco sem açúcar.
Refeição 2: shake feito com 1 xícara de leite de amêndoas sem açúcar, 40g de abacate, 40g de banana, 1 colher de proteína de soro do leite sem sabor e espinafre ou couve.
Refeição 3: frango ou peixe (85 a 110g), salada verde com couve e 2 colheres de sopa de hummus, 1 fatia de pão Ezequiel com 1 colher de sopa de manteiga de amêndoas.
Refeição 4: frango ou peixe (85 a 110g), carboidratos complexos como batata-doce, arroz integral, quinoa, ou uma mistura de grãos integrais, vegetais verdes ou salada.
Refeição 5: 170mL de iogurte grego ou queijo cottage baixo em gordura, misturado com 1 colher de sopa de manteiga de amendoim em pó PB2, 2 pacotes de stevia, 1 colher de sopa de cacau em pó sem açúcar, coberto com 1 colher de sopa de manteiga de amêndoas (minha sobremesa noturna!).




Na página pessoal da Justine ela não tem vergonha de mostrar que é gente como a gente e também tem os seus dias menos "fit". Hambúrguer, batata frita, sorvete e comida mexicana estão entre as comidas preferidas nessas ocasiões.

E assim cada vez mais me certifico de que os corpos que eu mais admiro na verdade não são só corpos e definitivamente não foram/estão sendo/serão construídos a base de frango, batata doce e aspargos... muito menos biscoitinho sem glúten e barrinha de proteína! Ahh, e claro que voz de pato rouco, espinhas, rosto super quadrado e pelos grossos também não combinariam com esse shape, certo?

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Aconteceu nos últimos meses...

Oiiii!

Nesse período ausente ensaiei mil vezes reativar o blog, mas sabe quando precisamos de um tempo só nosso? Muita coisa aconteceu desde julho (mês do último post). Me rendi à dieta paleo (por mais que eu odeie esses dois nomes: "dieta" e "paleo"), conheci atletas do fisiculturismo na Finlândia, assisti a uma palestra da top coach de lá, fiz um ensaio para uma loja de roupas fitness latino-americanas (morri de vergonha, vi várias modelos escandinavas que eu babava e descobri que é tudo muito mais luz, maquiagem, photoshop e principalmente pose... coisa que eu definitivamente não domino), terminei o meu curso lá e antes que morresse de tédio num outono cinza e gelado, viajamos de férias para o Brasil :)

1- Viagem à Talin/Estônia
2- Cores do outono. Lindo demais, até todas as folhas caírem e o sol se esconder...
3- Brincando de "modelo"
4- Jutta, a top personal finlandesa que tive o prazer de conhecer e assistir a palestra (Em finlandês! E eu entendi tudo!!)
5- Viagem à Porto de Galinhas/PE já nas férias no Brasil

E quando o coração já estava apertadinho, porque as férias estavam chegando no fim e logo precisaríamos voltar, veio a grande surpresa: esse ano ficaremos no Brasil! No início foi mais um susto, até porque nossas coisas ficaram por lá, mas não vou negar que é ótimo estar de novo na terrinha. Pela milésima vez fazer mudança, arrumar tudo de novo, planejar... e convenhamos, em português e perto da família tudo vira "mamão com açúcar"!

As informações que "milagrosamente" tem chegado até mim nos últimos tempos me levaram a ampliar o meu conceito de fit lifestyle... nunca na vida me senti tão bem comigo mesma e com tanta vontade de aprender mais e mais. Mais do que nunca, percebo a sabedoria do nosso corpo sobre aquilo que é realmente saudável para ele. Acho que foi exatamente isso que me fez querer voltar com o blog, já que essa é uma ótima ferramente para compartilhar e manter contato com gente que está no mesmo momento que o nosso e que mora em qualquer lugar do mundo.

Talvez voces não me vejam falar tanto sobre as famosas fases de cut ou bulk, suplementos, HIIT... mas vou continuar escrevendo sobre tudo aquilo que me faz feliz. O espaço continua aberto para sugestões, ok? E vamos juntas(os) no caminho para a melhor versão de nós mesmas(os).

Me desejem um bom retorno ;)

Amor e uma ótima semana!

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Pão de milho proteico (sem glúten)

Eu não tenho intolerância alimentar, mas um leve desconforto ao glúten, à lactose e a outros alimentos mais (soja, berinjela, melancia, pepino, pimentão...). Consumir de vez não me traz problema nenhum, o que certamente não aconteceria se minhas refeições fossem baseadas em pão, biscoitinhos, macarrão, sanduíche, lasanha, pizza... ainda que integral, sem açúcar, sem gordura e etc. Na minha opinião, os problemas geralmente aparecem pelo excesso. É o corpo dizendo: "ei, eu não aguento mais! Tô com fome, preciso de COMIDA!". Tanto é que já vi casos e casos de intolerantes que fizeram o tratamento (com nutricionista) e aos poucos puderam voltar a consumir glúten e lactose, em doses homeopáticas, como deve ser (pelo menos para 99% da população, que no máximo faz uma caminhada no parque, três vezes na semana).

Eu adoro cozinhar! Pão, torta, cookies... tem coisa mais terapêutica do que botar a mão na massa, literalmente? E depois o cheirinho na cozinha, as lembranças da infância, reunir a família em volta da mesa... é, eu tenho descendência italiana e não lembro uma visita que não tenha conhecido nossa cozinha! :)

E se a receita for um pão de milho totalmente do bem, sem glúten, proteico e fácil de fazer? Juro que a massa fica fofinha quase como o pão caseiro da nonna. Ok, não é para tanto, mas fica bom :P

Pão de milho proteico




Ingredientes:

  • 1 xícara de milho
  • 300g de queijo cottage
  • 2 ovos
  • 1 colher de sopa de óleo de coco
  • 2 xícaras de farinha de grão de bico
  • 2 colheres de sopa de farinha de linhaça
  • 2 colheres de sopa de amido de milho
  • 1 colher de sopa de vinagre
  • 1 colher de chá de goma xantana
  • temperos (usei 1/2 cc cardamomo e 1 cc de erva doce)
  • 1 colher de sopa de açúcar (usei de coco)
  • 1 colher de chá (rasa) de sal
  • 1 envelope de fermento biológico


Observação importante: todos os ingredientes devem estar em temperatura ambiente. Como o cottage não pode ficar fora da geladeira, aqueça ele por alguns minutos em fogo baixo, sem deixar ferver (só para não ficar gelado).

Preparação: liquidificar o queijo cottage, o milho, os ovos e o vinagre, até obter um creme.
Em uma tigela misturar os ingredientes secos (menos o fermento) e depois envolve-los com a mistura líquida. Dissolver o fermento em uma xícara com um dedo de água morna (a temperatura ideal é aquela que você suporta por dez segundos) e acrescentar à massa. A massa fica bem úmida e não deve ser sovada.
Transfira a massa para uma forma de pão, cubra com um pano limpo e deixe o fermento trabalhar por no mínimo 40min (em um local mais quentinho, como o forno).
Asse em forno pré-aquecido à 180 graus por cerca de 30min.



Dicas:


  1. É sempre melhor usar o milho natural, se não for possível use o congelado ou em lata (minha ordem de preferencia).
  2. O queijo cottage é sem soro e pode ser feito em casa. Eu arriscaria substituí-lo por queijo tipo quark, ricota ou tofu.
  3. A farinha de grão de bico é vendida em lojas de produtos naturais, mas já vi versões caseiras pela rede. Se quiser substitua por farinha de arroz ou fécula de batata/mandioca.
  4. Por indicação, eu sempre uso vinagre e goma xantana nas receitas de massas sem glúten, por isso não saberia dizer se são dispensáveis.

Façam e depois me contem! :)

Boa semana!!

sábado, 5 de julho de 2014

Perder gordura e se manter saudável

Olá!

Como foi a semana?
A minha foi ótima... primeira semana de fase de corte e apesar da fome apertar de vez em quando, eu me sinto muito bem.

Dessa vez vou usar uma estratégia um pouco diferente: ouvir o meu corpo. Não que eu já não faça isso sempre, mas sinto que no meio do caminho o "diabinho da estética" sempre acaba me pegando... Explico: tem uma hora no meio da fase de cutting em que o corpo passa a responder mais lentamente (normal!) e aí sempre acabo exagerando no aeróbico ou me privando demais na alimentação.

Analisando friamente os resultados finais dos períodos de redução de gordura que já fiz, acho que eu perdia muito do aspecto saudável que eu tanto me esforço para ter. Considerando que minha única competição é comigo mesma, não há razão para isso!! Dessa vez prometo que vou me policiar, porque não quero mau humor, cabelo sem brilho, imunidade baixa, intestino preso ou cansaço.

Por enquanto nos meus planos tenho 3h de cardio moderado por semana, mas nada de HIIT e nem de aeróbico em jejum (AEJ). Isso não quer dizer que eu não venha a incluí-los mais para frente. Particularmente me sinto muito bem com o AEJ (meu relato aqui), mas acho que ele cataboliza um pouco mais do que eu gostaria. Sobre o HIIT, voces sabem que eu sempre coloquei ele nas minhas planilhas de treino, mas sabe o que acontece? Cansei de ouvir gente dizendo que caminhada engorda e o treino cardiovascular de alta intensidade é o único caminho para perder gordura... odeio generalizações e resolvi fazer um teste comigo mesma. Teimosa? Com certeza! Porque ninguém me tira da cabeça que existem "n" maneiras de se chegar lá e individualidade biológica é tudo.

Não vou dizer que me arrependo das fases de corte em que exagerei no AEJ ou de quando me privava até de comer cenoura. Não, com certeza foram importantes e acho que até necessárias. O resultado veio de forma relativamente rápida para quem já treina há alguns anos, mas agora é outro momento. As gordurinhas a mais que tenho agora não me incomodam como antes, provavelmente porque a composição corporal mudou (mais massa magra) e porque não dizer, a cabeça mudou! Nunca pensei que eu fosse dizer isso, mas hoje prefiro muito mais uma "panifat" feliz do que uma "biquíni" cheia de olheiras, com cabelo ralinho e etc... Sou fã mesmo do corpo das atletas, mas em off season. É, acho que exagerei um pouquinho... Chega, sem mais polêmicas. Vocês me entendem! :P

No meu plano atual estão muitas caminhadas pelos bosques por aqui, controlando a respiração e aproveitando o máximo do meu momento. Tem musculação até a falha (nunca poderia faltar, senão não seria eu!), mas tem também yoga e doses de vit D natural (= sol!). E quando eu me sentir cansada? Vou descansar, ora bolas! Bem, essa é a minha noção de ouvir o corpo... aí talvez alguém possa dizer: "Ah, se eu fizer o que meu corpo quer, vou passar o dia no sofá comendo chocolate!" kkkkk... Meninas, eu também tenho vontades, mas pode ter certeza, quando estamos em equilíbrio quase não sentimos falta de açúcar/gordura e o nosso paladar fica muito mais sensível. Eu tenho desejo de doce no auge da TPM ou quando estou estressada por algum motivo. Agora dieta restrita dá vontade de comer até o que nunca gostamos! Não raro vejo gente que passa o dia a base de alface, no entanto, de madrugada acorda e come o que vê pela frente.

Justine Moore, lindíssima!
Ainda não vi uma alma dizer que ela é "demais" ou "de menos",
no mau sentido...

Para concluir quero deixar claro que não sou contra estratégias mais radicais. Eu acho que elas podem dar certo e são até indicadas em alguns casos, por pouco tempo. No início do processo eu sei que tem gente que simplesmente não funciona só com um "pedacinho" e aí a refeição livre acaba virando um final de semana de orgias gastronômicas. A dieta baixíssima em carboidratos com certeza faz secar de forma bem rápida, mas a questão é se dedicar também a mudar o psicológico e a nossa relação com a comida. Não é normal viver esperando o dia do lixo, não poder liberar uma refeição para comemorar uma data especial ou morrer de culpa porque esqueceu a sua marmita em casa. Eu já tive alguns transtornos alimentares e sei do que falo (como acho que a maioria da população tenha e nem sabe ou não quer admitir)... Mudar é admitir o erro, querer melhorar e lutar contra o vício um dia de cada vez - o "x" da questão no caso é a comida, mas poderia ser qualquer coisa... cigarro, bebida, medo, falta de paciência e todos os nossos fantasmas internos. Não adianta ficar remoendo o que já foi... vamos buscar simplesmente a melhor versão de nós mesmos :)


Bjs
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...